Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: perfil e capacitação pedagógica do docente do curso de medicina

Lizomar de Jesus Maués Pereira Moia, Raphael Primo Martins de Sousa, Renato Mauro Vieira Souza, Aline Batista da Fonseca

Resumo


O corpo docente é a base fundamental sobre a qual devem ser instituídas as mudanças necessárias para a formação da área da saúde. Diversos estudos têm constatado ausência de preparo pedagógico do professor de medicina, em especial, às metodologias ativas de ensino e aprendizagem. Objetivo: Este artigo traçou o perfil profissional dos professores do curso de medicina da Universidade do Estado do Pará (UEPA) em Santarém, e conhecer o seu nível de capacitação acerca das metodologias de ensino médico, com ênfase no método de Aprendizagem Baseado em Problemas (ABP). Métodos: Foi realizado um estudo quantitativo, de abordagem estatística, descritiva e transversal. Resultados: A amostra constituiu-se por 48 docentes. Os resultados mostraram que 75% dos professores são graduados em medicina. Quanto ao módulo em que atuam, predominaram o “Internato” (41,7%) e as “Habilidades Clínicas” (29,2%). Quanto à titulação acadêmica, 35% apresentavam pós-graduação Stricto Sensu, 29% mestrado e apenas 6% doutores, o restante detinha alguma especialização. Com referência ao vínculo empregatício, apenas 44% dos pesquisados relataram ter vínculo efetivo com a instituição e destes, somente 8% encontram-se em dedicação exclusiva. Os tutores, em sua maioria (74,1%) apresentaram pelo menos 2 vínculos empregatícios além do vinculo com a universidade, com variação em até 4 vínculos diferentes. Contatou-se ainda que apenas 29% dos docentes cursaram alguma pós-graduação voltada para educação e que 60% não tiveram nenhum treinamento para atuar em metodologias ativas de aprendizagem. Conclusão: Diante dos resultados, sugere‑se que se realizem mudanças nas condições de trabalho dos professores, criando‑se incentivos, em termos de progressão na carreira, recompensas profissionais, projetos de aprimoramento em educação médica, especializações e bolsas de mestrado e doutorado vinculadas à instituição de ensino, para que a carreira acadêmica torne-se mais atraente e almejada aos olhos desses profissionais.


Palavras-chave


Educação médica. Aprendizagem baseada em problemas. Capacitação. Condições de trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


Costa NMSC. Docência no ensino médico: por que é tão difícil mudar? Rev Bras Educ Med. 2007;31(1):21-30. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022007000100004.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº4 de 7 de novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Medicina. Diário Oficial da União. Brasília, 9 nov. 2001; Seção 1, p. 38.

Garcia MAA, Silva ALB. Um perfil do docente de medicina e sua participação na reestruturação curricular. Rev Bras Educ Med. 2011;1(35):58-68. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022011000100009.

Allen DE, Donham RS, Bernhardt SA. Problem-based Learning. New Directions for Teaching and Learning [Internet]. 2011 [citado em 2014 jun. 5]. no. 128. Disponível em: http://wileyonlinelibrary.com

Feuerwerker L. Além do discurso de mudança na educação médica: processos e resultados. Rio de Janeiro: ABEM; 2002.

Batista NA. A formação do professor de medicina: desafios e perspectivas. São Paulo: Sarvier; 1998.

Rodríguez CA, Poli Neto P, Behrens MA. Paradigmas educacionais e a formação médica. Rev Bras Educ Med. 2004;28(3):234-41.

Cachapuz A, Praia J, Jorge M. O caso do docente médico. Porto: Ciência & Educação; 2004.

Cross KP. Leading-edge efforts to improve teaching and learning. The Magazine of Higher Learning. 2001;33(4):30-7.

Dill DD. (2003). An institutional perspective on higher education policy: the case of academic quality assurance. In: Smart JC, editor. Higher education: handbook of theory and research (pp. 669-700). Dordrecht: Kluwer Academic Publishers. http://dx.doi.org/10.1007/978-94-010-0137-3_12.

Costa NMSC. La formación pedagógica de profesores de medicina. Rev Lat Am Enfermagem. 2010;18(1):1-7.

Bireau A. Os métodos pedagógicos no ensino superior. Porto: Porto Editora; 1995.

Mclean M. Reawarding teaching excellence. Can we measure teaching “excellence”? Who should be the judge? Med Teach. 2001; 23(1): 6-11. http://dx.doi.org/10.1080/01421590123039.

Bellodi PL, Cardillo GZ. O aluno da FMUSP e seus colegas [Internet]. 2015 [citado em 2015 Jun 9]. Disponível em: http://www.fm.usp.br/cedem/peqedu/perfil20005.php

Lampert JB. Avaliação do processo de mudança na educação médica. São Paulo: Hucitec; 2004.

Batista NA, Silva SHS. O professor de medicina: conhecimento, experiência e formação. São Paulo: Loyola; 1998.

Abreu IP No, Lima OS Fo, Silva LEC, Costa NMSC. Percepção dos professores sobre o Novo Currículo de Graduação da Faculdade de Medicina da UFG, implantado em 2003. Rev Bras Educ Med. 2006; 30(3): 154-60.

Moré NC, Gordan PA. A percepção dos professores do Departamento de Medicina da Universidade Estadual de Maringá sobre suas dificuldades e necessidades educacionais para o desenvolvimento do ensino médico. Rev Bras Educ Med. 2004;28(3):215-22.

Souza OC Fo, Naujorks MI. O professor de Medicina da UFSM no contexto do mal-estar docente. Rev Bras Educ Med. 2005;29(1):34-41.

Marcondes E, Gonçalves EL. Educação médica. São Paulo: Sarvier; 1998.

Pinto LAM, Rangel M. Projeto político-pedagógico da escola médica. Rev Bras Educ Med. 2004;28(3):251-58.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


IJHE é uma Publicação do Programa de Pós-Graduação Ensino em Saúde na Amazônia, Belém, Pará, Brasil