Enfrentamento da violência contra mulher e o papel da equipe interdisciplinar: relato de experiência

Lisiane Marcolin Almeida, Simone Travi Canabarro, Helena Terezinha Hubert Silva

Resumo


Contextualização: A Casa de Apoio Viva Maria é um abrigo que acolhe mulheres, família e filhos menores de idade em situação de violência doméstica, sexual ou em risco de vida iminente em razão da violência, sob a gerência da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e mantida com recursos da Prefeitura Municipal de Porto Alegre. O objetivo da casa é garantir a segurança à integridade física e oferecer apoio integral à mulher e filhos por meio do acesso ao serviço de psicologia, serviço social e jurídico, visando o fortalecimento da autoestima para a reconstrução da vida sem violência. O conceito de violência é muito amplo e a palavra deriva do latim e sua origem está relacionada com o termo “violação”, onde a violência contra a mulher é um problema de saúde pública caracterizada como crime. Descrição da experiência: As atividades desenvolvidas na casa são realizadas por uma equipe multidisciplinar que atua de forma interdisciplinar na interface saúde e violência, com atendimento individual e em grupo com as mulheres e crianças. O serviço é um modelo de atuação interdisciplinar com interlocução entre os diferentes profissionais estimulando assim, um novo rumo para as mulheres vitimas de violência. A construção do trabalho surge no enfrentamento à violência de modo ativo por parte dos profissionais reformulando a ideia de conduta resolutiva sem ir a fundo às reais necessidades da vítima. As atividades realizadas no abrigo por meio de um trabalho diário, desempenhado por uma equipe técnica que possui clareza e compreensão sobre o fenômeno da violência, atingem os objetivos do Programa Municipal de Albergues para a mulher vítima de violência. Considerações finais: Certamente, a capacidade dos profissionais em não deixar que a convivência cotidiana com a temática promova retrocessos no entendimento da violência, garante o fortalecimento do resgate da autonomia e do empoderamento da mulher.


Palavras-chave


Interdisciplinaridade, Violência, Enfrentamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Porto Alegre (RS). Decreto no 10.172: regulamenta a Lei 6.919, de 22 de outubro de 1991. Diário Oficial do Estado, Porto Alegre (RS), 30 dez. 1991. Seção 248, p. 24-36.

Dagord ALL. Viva Maria dez anos [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2003.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Censo 2012. Rio de Janeiro: IBGE; 2016 [citado em 2016 Abr 17]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000010961811202012185527900054.

pdf.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil Subchefia para assuntos jurídicos. Lei no 11.340 de 7 de Agosto de 2006. [citado em 2016 Abr 18]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm.

Meneghel SN, Camargo M, Fasolo LR, et al. Mulheres cuidando de mulheres: um estudo sobre a Casa de Apoio Viva Maria, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saude Publica. 2000;16(3):747-57. PMid:11035514. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2000000300023.

Minayo MCS. Interdisciplinaridade: funcionalidade ou Utopia. Saúde e Sociedade. 1994;3(2):42-63. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12901994000200004.

Campos GWS, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad Saude Publica. 2007;23(2):399-407. PMid:17221089. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200016.

Fazenda ICA. Interdisciplinaridade: didática e prática de ensino. In: ENDIPE; 2014.

Campos GWS, Domitti AC. Metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad Saude Publica. 2007;23(2):399-407. PMid:17221089. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


IJHE é uma Publicação do Programa de Pós-Graduação Ensino em Saúde na Amazônia, Belém, Pará, Brasil