Força e coordenação motora da musculatura do assoalho pélvico e a função sexual feminina

Nina Morena Teixeira de Luccas Batista, Amanda Nascimento de Oliveira, Erica Feio Carneiro Nunes, Gustavo Fernando Sutter Latorre

Resumo


Introdução: A Organização Mundial de Saúde estipula que a sexualidade é um aspecto central
do ser humano e a literatura aponta a grande participação da musculatura do assoalho pélvico (MAP) na função sexual. Objetivo: analisar a influência da força sobre a função sexual feminina. Método: foram avaliadas vinte e seis mulheres de 18 a 35 anos, com vida sexual ativa. As variáveis analisadas foram: força da MAP, desejo sexual, excitação, lubrificação, orgasmo, dor na relação e satisfação na vida sexual. A função sexual feminina foi avaliada pelo questionário FSFI - The Female Sexual Function Index e a força muscular por meio do perineômetro Perina e do toque bidigital, segundo a escala de Oxford modificada. Os dados foram analisados por meio do Software estatístico SPSS, versão 20. Estatística descritiva foi aplicada para as prevalências de disfunção sexual na amostra, e a associação entre esta disfunção e a força muscular da MAP foi investigada pelo Coeficiente de Spearman. Resultados: dentre as mulheres que apresentavam algum tipo de disfunção sexual, nenhuma possuia força da MAP igual ou superior ao grau 4 na escala de Oxford, sugerindo relação entre disfunção sexual e músculo fraco. Apesar de alguns dados tenderam à associação, não foi encontrada significância estatística. Conclusão: os achados do presente estudo permitem concluir que parece haver correlação entre força muscular do assoalho pélvico e função sexual feminina na amostra estudada, sendo necessários estudos maiores.


Palavras-chave


Assoalho pélvico. Força muscular. Função sexual feminina. Fisioterapia pélvica.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization (WHO). Defining sexual health [Internet]. 2013 [citado em 2013 Ago 23]. Disponível em: http://www.who.int/reproductivehealth/topics/sexual_health/sh_definitions/en/index.html.

Abdo CHN, Oliveira WM Jr, Moreira ED Jr, Fittipaldi JAS. Prevalence of sexual dysfunctions and correlated conditions in a sample of Brazilian women-results of the Brazilian study on sexual behavior (BSSB). Int J Impot Res. 2004;16(2):160-6. http://dx.doi.org/10.1038/sj.ijir.3901198. PMid:14961047.

Thiel R, Thiel M, Palma P. Urologia feminina e medicina sexual: o que os médicos precisam saber. Prática Hospitalar. 2008;10(56):37-9.

Moura RVA, Costa TPB. Avaliação do grau de força do assoalho pélvico em mulheres que apresentam anorgasmia secundária [monografia]. Belém: UNAMA; 2006 [acesso em 2013 Abr 18]. Disponível em: http://www.unama.br/novoportal/ensino/graduacao/cursos/fisioterapia/attachments/article/136/avaliacao-do-grau-de-forca-do-assoalho-pelvico.pdf

Silva APS, Silva JS. A importância dos músculos do assoalho pélvico feminino, sob uma visão anatômica. Fisioter Bras. 2003;4(3):205-11.

Polden M, Mantle J. Fisioterapia em ginecologia e obstetrícia. 2ª ed. São Paulo (SP): Livraria Santos Editora; 2000.

Ribeiro ATA, Ankier C. A relação do grau de força muscular do assoalho pélvico com a satisfação sexual feminina. Revista Latinoamericana de Medicina Sexual – ReLAMS. 2012;1(1):14-22.

Rosen R, Brown C, Heiman J, et al. The Female Sexual Function Index (FSFI): a multidimensional self-report instrument for the assessment of female sexual function. J Sex Marital Ther. 2000;26(2):191-208. http://dx.doi.org/10.1080/009262300278597. PMid:10782451.

Gouveia PF, Ambrogini CC, Haiddar MA, Silva I. Métodos de avaliação do assoalho pélvico. RBM. 2012;70(6):232-8.

Wiegel M, Meston C, Rosen R. The Female Sexual Function Index (FSFI): cross-validation and development of clinical cutoff scores. J Sex Marital Ther. 2005;31(1):1-20. http://dx.doi.org/10.1080/00926230590475206. PMid:15841702.

Martinez CS, Ferreira FV, Castro AA, Gomide LB. Women with greater pelvic floor muscle strength have better sexual function. Acta Obstet Gynecol Scand. 2014;93(5):497-502. http://dx.doi.org/10.1111/aogs.12379. PMid:24628380.

Lowenstein L, Gruenwald I, Gartman I, Vardi Y. Can stronger pelvic muscle floor improve sexual function? Int Urogynecol J. 2010;21(5):553-6. http://dx.doi.org/10.1007/s00192-009-1077-5. PMid:20087572.

Costa TF, Resende APM, Seleme MR, Stupp L, Castro RA, Berghmans B, Sartori MGF. Ginástica hipopressiva como recurso proprioceptivo para os músculos do assoalho pélvico de mulheres incontinentes. Fisioter Bras. 2011;12(5):365-9.

Fashokun TBO, Harvie HS, Schimpf MO, et al. Sexual activity and function in women with and without pelvic floor disorders. Int Urogynecol J. 2013;24(1):91-7. http://dx.doi.org/10.1007/s00192-012-1848-2. PMid:22744621.

Baytur YB, Deveci A, Uyar Y, Ozcakir HT, Kizilkaya S, Caglar H. Mode of delivery and pelvic floor muscle strength and sexual function after childbirth. Int J Gynaecol Obstet. 2005;88(3):276-80. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijgo.2004.12.019. PMid:15733881.

Mendonça CR, Amaral WN. Tratamento fisioterapêutico das disfunções sexuais femininas – Revisão de Literatura. Femina. 2011;39(3):139-42.

Medeiros MW, Braz MM, Brongholi K. Efeitos da fisioterapia no aprimoramento da vida sexual feminina. Fisioter bras. 2004;5(3):188-93.

Abdo CHN. Considerações a respeito do ciclo de resposta sexual da mulher: uma nova proposta de entendimento. Diagn Tratamento. 2010; 15(2): 88-90.

Henscher U. Fisioterapia em ginecologia. São Paulo: Editora Santos; 2007. Cap. 5; p. 83-125.

Grosse D, Sengler J. Reeducação perineal. Barueri: Manole; 2002.

Antonioli RS, Simões D. Abordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininas. Rev Neurocienc. 2010;18(2):267-74.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


IJHE é uma Publicação do Programa de Pós-Graduação Ensino em Saúde na Amazônia, Belém, Pará, Brasil