Desafios de discentes e gestantes na assistência pré-natal: processo de construção de cartilha educativa

Lilian Cristina Caldeira Thomé, Nara Macedo Botelho, Renato da Costa Teixeira

Resumo


Objetivo: Esta pesquisa teve como objetivo investigar os desafios de discentes e gestantes durante a assistência pré-natal, desenvolvida no posto de saúde de uma universidade da região norte do Brasil, para a construção de uma cartilha de pré-natal. Métodos: Foi desenvolvido um estudo com abordagem quanti-qualitativa, tipo descritivo, produzido por questionários. As respostas obtidas nessa investigação, foram reduzidas aos seus elementos sob os fundamentos da análise de conteúdo com auxílio de softwares de uma plataforma eletrônica.
Resultados: Para os discentes o maior desafio é superar a insegurança com o roteiro da anamnese pré-natal e o embaraço com os termos regionais, utilizados pelas gestantes ribeirinhas e provenientes do interior do estado. E para as gestantes, inibição, vergonha, e ansiedade, que dificultam as perguntas durante a consulta. Assim as dúvidas mais frequentes das gestantes, estão relacionadas com aspectos do bem-estar fetal, alimentação, riscos, sinais e sintomas do parto, hábitos e cuidados. A maioria dos discentes sugeriu que os exames de pré-natal, as modificações gravídicas e o desenvolvimento do bebê no 1º, 2º e 3º trimestre, seriam os assuntos que deveriam constar em um material educativo. Já para as gestantes, os sinais do parto e modificações gravídicas. Conclusão: Os desafios da consulta são peculiares aos ambulatórios, particularmente os de ensino e compatíveis com dados semelhantes da literatura. Faz exceção a dificuldade dos discentes com os termos regionais, situação peculiar à região norte. Ademais discentes e gestantes apresentaram seus saberes e sugestões para contornar tais questões. Por conseguinte, o resultado desta pesquisa, com suas particularidades regionais será utilizado na construção de uma cartilha de pré-natal, a fim de favorecer a comunicação e a dinâmica da consulta e assistência do referido ambulatório.


Palavras-chave


Educação em saúde. Tecnologia educacional. Cuidado pré-natal

Texto completo:

PDF

Referências


Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciênc. Saúde Coletiva. 2011;16(1):319-325. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000100034.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n. 3, de 20 de junho de 2014. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União [Internet], Brasília, DF, 23 jun. 2014 [citado em 2016 Dez 12]; Seção 1. p. 8-11. Disponível em: http://www.fmb.unesp.br/Home/Graduacao/resolucao-dcn-2014.pdf

Duarte SJH, Andrade SMO. O significado do pré-natal para mulheres grávidas: uma experiência no município de Campo Grande, Brasil. Saúde Soc. 2008;17(2):132-39. http://dx.doi.org/ 10. 1590/S0104-12902008000200013.

Diniz SGG. Maternal health and the perinatal paradox. Ver Tempus Actas de Saúde Col [Internet]. 2010 [citado em 2016 Nov 11];4(4):49-59. Disponível em: http://www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/viewFile/ 833/796

Agência Brasil. Brasil precisa avançar na redução da mortalidade materna, dizem especialistas [Internet]. Empresa Brasil de Comunicação; 2011 [citado em 2016 Jan 10]. Disponível em: http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2011-05-11/brasil-precisa-avancar-na-reducao-da-mortalidade-materna-dizem-especialistas

Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, editores. Sumário executivo temático Nascer no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): CCI/ENSP – Fiocruz; 2012 [citado em 2015 Jan 10]. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/arquivos/anexos/nascerweb.pdf

Silveira IP, Campos ACS, Carvalho FAM, Barroso MGT, Vieira NFC. Ação educativa à gestante fundamentada na promoção da saúde: uma reflexão. Esc Anna Nery. 2005;9(3):451-8 http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452005000300013.

Zampieri MFM, Erdmann AL. Cuidado humanizado no pré-natal: um olhar para além das divergências e convergências. Rev Bras Saude Mater Infant. 2010;10(3):359-67. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292010000300009.

Duarte SJH, Andrade SMO. O significado do pré-natal para mulheres grávidas: uma experiência no município de Campo Grande, Brasil. Saúde Soc. 2008;17(2):132-39. http://dx.doi.org/ 10. 1590/S0104-12902008000200013.

U.S. Department of Health and Human Services. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Simple Put: A guide for creating easy-to-understand materials. 3th ed. Atlanta (GA): Strategic and Proactive Communication Branch; 2009. p. 39-42 [citado em 2015 Jan 10]. Disponível em: http://www.cdc.gov/healthliteracy/pdf/Simply_Put.pdf

Manzato A, Santos AB. A elaboração de questionários na pesquisa qualitativa. São Paulo (SP): Ibilce, UNESP; 2003. [citado em 2015 Jan 10]. Disponível em: http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lilianvismara/be16c-bioestatistica/a-elaboracao-dequestionarios-na-pesquisa-quantitativa/A%20ELABORACaO%20DE%20QUESTIONARIOS%20NA%20PESQUISA%20QUANTITATIVA.pdf/view

SurveyMonkey [página da Internet]. SurveyMonkey; 2015 [citado em 2015 Jan 10]. Disponível em: http://www.surveymonkey.com

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo (SP): Edições 70; 2011.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (INEP). Censo da educação superior [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Educação; 2016 [citado em 2016 Dez 10]. Disponível em: http://www.censosuperior.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior

Fernandes ACUR, Costa DDO, Silva MP, França DB Jr, Martins JJR, Moreira JCR, editores. O acompanhamento da gestante: questões da prática assistencial para médicos. São Luis (MA); Universidade Aberta do SUS/UNA-SUS; 2017 [citado em 2017 Fev 20]. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/7845?show=full

Amaral MP, Cordoba AS. Atitudes linguísticas de universitários da FURG sobre o discurso dos outros. ReVEL [Internet]. 2016 [citado em 2016 Dez 10];14(13):62-71. Edição Especial. Disponível em: www.revel.inf.br

Silva GBD Jr., Duarte RDP, Menezes AR, Morais AP, Alves AM, Daher EDF. Percepção dos pacientes sobre aulas práticas de medicina: uma outra ausculta. Rev Bras Educ Med. 2014;38(3):381-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022014000300013.

Rios IC. Subjetividade contemporânea na educação médica: a formação humanística em medicina [tese de doutorado]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2010 [citado em 2015 Mar 10]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5137/tde-27082010-143815/

Sanfelice C. Tem que se cuidar: saberes e práticas de gestantes atendidas em uma unidade básica de saúde de Santa Maria/RS [dissertação]. Santa Maria (RS): Universidade Federal de Santa Maria; 2011 [citado em 2015 Jan 10]. Disponível em: http://cascavel.cpd.ufsm.br/tede/tde_ arquivos/33/TDE-2012-09-11T084638Z-3661/Publico/SANFELICE,% 20CHEILA.pdf

Reberte LM. Celebrando a vida: construção de uma cartilha para promoção da saúde da gestante. [dissertação de mestrado]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2008. [citado em 2015 Jan 10]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7132/tde-050 52009-112542

Gomes RMT, César JA. Perfil epidemiológico de gestantes e qualidade do pré-natal em unidade básica de saúde em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8(27):80-9. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(27)241.

Anversa ETR, Bastos GAN, Nunes LN, Dal Pizzol TS. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2012;28(4):789-800. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400018.

Brasil. Ministério da Saúde. Consolidação do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - 2011 [citado em 2015 jan 15]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/sinasc/Consolida_Sinasc_2011.pdf

Lansky S, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recémnascido. Cad. Saúde Pública. 2014;30(1 Supl):192-07. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00133213.

Zampieri MFM, Erdmann AL. Cuidado humanizado no pré-natal: um olhar para além das divergências e convergências. Rev Bras Saude Mater Infant. 2010;10(3):359-67. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292010000300009.

Sanfelice C, Stumm KE, Ressel LB, Flores LP. Crenças e práticas do período gestacional: uma revisão integrativa. Saúde. 2013;39(2):35-48. http://dx.doi.org/10.5902/223658345524.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


IJHE é uma Publicação do Programa de Pós-Graduação Ensino em Saúde na Amazônia, Belém, Pará, Brasil