Educação em saúde sobre a luta antimanicomial para usuários de um Centro de Atenção Psicossocial em Belém-PA

Emanuele Cordeiro Chaves, Karen Caroline Vieira dos Santos, Carla Andréa Avelar Pires

Resumo


Contextualização: A análise histórica do tratamento direcionado ao usuário com transtorno
mental possibilita identificar os avanços ocorridos ao longo dos anos, o que representa uma conquista do Movimento da Luta Antimanicomial, mas que precisa ser fortalecida na atualidade. Nesse sentido, objetivou-se relatar uma ação de educação em saúde sobre a luta antimanicomial realizada com usuários de um Centro de Atenção Psicossocial. Descrição da experiência: Trata-se de um estudo transversal, descritivo, com abordagem qualitativa. Em alusão ao Dia Mundial de Luta Antimanicomial foi realizada uma roda de conversa em um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD) no município de Belém-PA, sobre a luta antimanicomial. Participaram da atividade 27 usuários do serviço. Para a realização do estudo utilizou-se a metodologia de roda de conversa, sendo que a experiência foi realizada em dois momentos, primeiro a roda de conversa conduzida por uma enfermeira e uma acadêmica de medicina do Programa de Educação
pelo Trabalho (PET-Saúde/GraduaSUS), a partir de seis imagens sobre a temática, seguida pela construção de um varal contendo as fotografias utilizadas previamente, intitulado “varal da luta”. Resultados e impactos: Os usuários participaram ativamente da discussão, tornando-se empoderados acerca da temática. A partir da roda de conversa emergiram as seguintes questões: a importância de se ter confiança no tratamento e no controle dos transtornos; o valor de transformar a sociedade em um meio menos hostil a essa população; a necessidade de atividades complementares, como artes e esportes. Considerações finais: Pode-se considerar que a atividade foi exitosa, pois através do esclarecimento diversos paradigmas e preconceitos foram combatidos, culminando com o “recrutamento” de apoiadores dessa luta antimanicomial que ainda precisa ser fortalecida, para que se alcance as melhores condições de tratamento aos usuários com transtornos mentais.


Palavras-chave


Educação em saúde. Saúde mental. Reforma dos serviços de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Oliveira FB, Fortunato ML. Saúde mental: reconstruindo saberes em enfermagem. Rev Bras Enferm. 2003; 56(1):67-70.

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672003000100014.

Pires JF, Resende LL. Um outro olhar sobre a loucura: a luta antimanicomial no Brasil e a Lei 10.216/2001. Cad Esc Dir Rel Int. 2016;2(25):34-47.

Lima AF. Os movimentos progressivos-regressivos da reforma psiquiátrica antimanicomial no Brasil: uma análise de saúde mental na perspectiva da psicologia social crítica. Rev Salud Soc. 2010;1(3):165-77. http://dx.doi.org/10.22199/S07187475.2010.0003.00002.

Rameh-de-Albuquerque RC, Lira WL, Costa AM, et al. Do descaso a um novo olhar: a construção da Política Nacional de Atenção Integral aos usuários de álcool e outras drogas como conquista da Reforma Psiquiátrica Brasileira: o caso de Recife (PE). Psicol Pesqui. 2017;11(1):1-2.

Macedo JP, Abreu MM, Fontenele MG, Dimenstein M. A regionalização da saúde mental e os novos desafios da reforma psiquiátrica brasileira. Saude Soc. 2017;26(1):155-70. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902017165827.

Vasconcelos EM. Empoderamento de usuários e familiares em saúde mental e em pesquisa avaliativa /interventiva: uma breve comparação entre a tradição anglo-saxônica e a experiência brasileira. Cien Saude Colet. 2013;18(10):2825-35. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001000007.

Coelho DM. Intervenção em grupo: construindo rodas de conversa. In: Anais do XIV Encontro Nacional da ABRAPSO; 2007 Out; Rio de Janeiro, Brasil. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Psicologia Social; 2007.

Alves TC, Oliveira WF, Vasconcelos EM. A visão de usuários, familiares e profissionais acerca do empoderamento em saúde mental. Physis. 2013;23(1):51-71. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312013000100004.

Machado PF, Scarparo HBK, Hernandez ARC. Narrativas do silêncio: movimento da luta antimanicomial, psicologia e política. Rev Psicol Política. 2015;15(34):599-616.

Nóbrega MPSS, Silva GBF, Sena ACR. Funcionamento da Rede de Atenção Psicossocial-RAPS no município de São Paulo, Brasil: perspectivas para o cuidado em Saúde Mental. In: Atas do 5º Congresso Íbero-Americano em Investigação Qualitativa; 2016 Jul; Porto, Portugal. Porto: Ludomedia; 2016.

Vasconcelos MGF, Jorge MSB, Guimarães JMX, et al. Saúde mental no contexto do Programa Saúde da Família: representações sociais de usuários e familiares. Rev Rene Fortaleza. 2008;9(3):9-18.

Correia PR, Torrenté MON. Efeitos terapêuticos da produção artística para a reabilitação psicossocial de pessoas com transtornos mentais: uma revisão sistemática da literatura. Cad Saude Colet. 2016;24(4):487-95. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462x201600040211.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


IJHE é uma Publicação do Programa de Pós-Graduação Ensino em Saúde na Amazônia, Belém, Pará, Brasil