Equipamento médico-hospitalar: uma gestão na área da saúde

Lisiane Marcolin Almeida, Helena Terezinha Hubert Silva

Resumo


Objetivo: O objetivo do artigo é refletir teoricamente acerca da temática: gestão de materiais médico-hospitalares na área saúde. Método: Trata-se de um estudo teórico reflexivo. Resultados: A aquisição de equipamento médico-hospitalares em diferentes âmbitos do setor da saúde exige constantes atualizações devido às mudanças e ao surgimento de novos materiais. A gestão neste aspecto foca-se por um lado à redução de custos, e por outro à priorização da saúde dos clientes. Uma medida que viabiliza a gestão é a aquisição de material de boa qualidade, com bom custo e benefício por meio da autonomia e com a participação ativa dos profissionais que atuam na assistência, na escolha do equipamento e no controle de custos. Conclusões: A avaliação e as análises desenvolvidas neste estudo são válidas por sua contribuição ao entendimento das dificuldades e das limitações existentes no processo de gerenciamento do equipamento médico-hospitalar.


Palavras-chave


Gestão, Equipamento médico-hospitalar, Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Campos DF, Marques ICP. Custeamento ABC numa organização hospitalar privada: um estudo comparativo do custo de cirurgias eletivas com os valores reembolsados pelos planos de saúde. In: XXXV Encontro da ANPAD Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração; 2011. Rio de Janeiro; 2011.

Kotler SS. Marketing estratégico para a área da saúde. Bookman; 2010. Definição do sistema de saúde e das escolhas conflitantes envolvidas.

Souza AA, Pereira ACC, Xavier AG, Xavier DO, Mendes ES. Logística hospitalar: um estudo de caso diagnóstico das dificuldades na gestão logística do setor de engenharia clínica. REAd. Rev. Eletronica Adm. 2013;12(1):1-14.

Freire RP, Pitassi C, Gonçalves AA, Schout D. Gestão de equipamentos médicos: o papel das práticas de qualidade em um hospital de excelência brasileiro. RAHIS. 2012;8(8):30-43.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Portaria nº 2.043, de 12 de dezembro de 1994 e Portaria SVS nº 686, de 27 de agosto de 1998. Conceitos técnicos, produtos para área da saúde. Inciso IV do Art. 3º, Decreto nº 79.094, de 5 de janeiro de 1997 [citado em 2016 Fev 11]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Inicio/Produtos+para+Saude

Brasil. Presidência da República. Ministério da Saúde Portaria nº 2.915, de 12 de dezembro de 2011. Institui a Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologias em Saúde (REBRATS). 2011 [citado em 2016 Fev 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2915_12_12_2011.html

Gil RB, Chaves LDP, Laus AM. Gerenciamento de recursos materiais com enfoque na queixa técnica. Rev. Eletr. Enf. 2015;17(1):100-7. http://dx.doi.org/10.5216/ree.v17i1.27544.

ANAHP. Observatório ANAHP. São Paulo; 2015 [citado em 2015 Fev 14]. Disponível em: http://www.anahp.com.br/files/observatorio_anahp_2015_miolo_210x297_web.pdf

Reinhardt W Fo. Gestão de suprimentos e medicamentos. In: Vecina G No, Malik AM, editores. Gestão em saúde. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011. p. 191-202.

Santos GMM, Carneiro LA. Materiais e medicamentos: vetores de custo no setor de saúde suplementar. IESS. 2013;0046:1-13.

Lopes LA, Dyniewicz AM, Kalinowski LC. Gerenciamento de materiais e custos hospitalares em UTI neonatal. Cogitare Enferm. 2010;15(2):278-85.

Amaral HCM. O processo de planejamento estratégico do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina: entre a intenção e a prática [dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Socioeconômico. Programa de Pós-graduação em Administração Universitária; 2013.

Marconi MA, Lakatos EM. Técnicas de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas; 2002.

Coelho FA, Nascimento JJ, SilvaJLG, Rodrigues JLK. A gestão de medicamentos e materiais médicos no resultado financeiro de um hospital público. In: The 4th International Congress on University-Industry Cooperation; 2012. Taubate; 2012.

Garcia SD, Haddad MCL, Dellaroza MSG, Costa DB, Miranda JM. Gestão de material médico-hospitalar e o processo de trabalho em um hospital público. Rev Bras Enferm. 2012;65(2):339-46. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000200021.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos Lei nº 8.666 de Junho de 1993 Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Portal da Legislação: Leis Ordinárias. Brasília; 2011 [citado em 2016 Fev 17]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L8666cons.htm

Reis LB, Barbosa IA, Soares LJF, et al. Análise das reprovações de materiais médico-hospitalares de um hospital de ensino. RAHIS. 2015;12(3):10-21.

Vaghetti HH, Roehrs M, Pires AC, Rodriguez C. Desperdício de materiais assistenciais na percepção de trabalhadores de enfermagem de um hospital universitário. Rev Enferm. 2011;19(3):369-74.

Dallora MELV, Forster AC. Gerenciamento de custos de material de consumo em um hospital de ensino. RAS. 2013;15(59):46-52.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Vigilância sanitária e licitações públicas. Brasília; 2016 [citado em 2016 Fev 9]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/fc9a4b00474591589989dd3fbc4c6735/cartilha_licitacao.pdf?MOD=AJPERES

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Gestão de Custos: manual técnico de custos: conceitos e metodologias. Brasília; 2006 [citado em 2016 Fev 15]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/2cc0550047457fc48

b83df3fbc4c6735/Programa+Nacional+de+Gestao+de+Custos.pdf?MOD=AJPERES

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Diretrizes Metodológicas: estudos de avaliação econômica de tecnologias em saúde. Brasília; 2009. 145 p.

Castilho V, Castro LC, Couto AT, et al. Levantamento das principais fontes de desperdício de unidades assistenciais de um hospital universitário. Rev Esc Enferm USP. 2011;45:1613-20. PMid:22282070. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000700012.

Campos CV, Santos LGS. A percepção do enfermeiro sobre o seu papel no gerenciamento de custos hospitalares. Rev. Min. Enferm. 2008;12(2):249-56.

Vecina G No, Reinhardt W Fo. Gestão de Recursos Materiais e de Medicamentos. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 1998. Série Saúde & Cidadania para Gestores Municipais de Serviços de Saúde, 12.

Meaulo MP, Pensutti M. A gestão de estoques em ambientes hospitalares - analisando a utilização de ferramentas de gestão de materiais em ambientes hospitalares públicos e filantrópicos no município de Santa Bárbara D’Oeste. VIII Convibra Administração – Congresso Virtual Brasileiro de Administração. São Paulo; 2011. p. 1-12 [citado em 2016 Fev 9]. Disponível em: www.convibra.com.br

Duarte NCM, Bitar JPS, Miglioli JP, et al. Gestão de compras em um hospital de ensino terciário: um estudo de caso. Rev Med. 2015;48(1):48-56.

Bonacim CAG, Araujo AMP. Gestão de custos aplicada a hospitais universitários públicos: a experiência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP. Rev. Adm. Pública. 2010;44(4):903-31. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122010000400007.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 12.401, de 28 de abril de 2011. Altera a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a assistência terapêutica e a incorporação de tecnologia em saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS Portal da Legislação: Leis Ordinárias. Brasília; 2011


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


IJHE é uma Publicação do Programa de Pós-Graduação Ensino em Saúde na Amazônia, Belém, Pará, Brasil