Compreensão de informações em saúde pelos idosos atendidos no SUS estimulados pela ludicidade

Maria Izabel Penha de Oliveira Santos, Andresa Pereira Silva, Nubia Caroline Carvalho Rego

Resumo


Objetivo: Comparar a capacidade de compreensão de informações em saúde de um grupo de idosos através da estimulação com jogos educativos. Método: Pesquisa quantitativa, de cunho descritivo e comparativo, realizada com 40 idosos assistidos em Unidade Municipal de Saúde em Belém/PA. Foram compostos dois grupos: um Grupo Lúdico (GL) com n=20 e outro Grupo Não Lúdico (GNL) com n=20. Os dados foram coletados em três etapas: (1) Aplicação de um formulário estruturado contendo dados sociodemográficos e de saúde, (2) leitura de um texto sobre Hipertensão Arterial seguida de (3) avaliação da compreensão textual e numérica, com os dois grupos. Na segunda etapa o GL participou de um jogo para a estimulação da memória e concentração, e na terceira etapa os dois grupos fizeram a releitura do texto e reavaliação da compreensão textual e numérica. Resultados: Dentre os idosos, 55,0% eram do sexo feminino, a média de idade foi 70 anos (DP±7,24); a média de escolaridade foi de 6 e 8 anos de estudo, para o GNL e GL, respectivamente (DP± 4,06 e DP± 3,95); cerca de 75,0% relataram ter hábito de leitura e 70,0% referiram compreender as informações em saúde, nos dois grupos. Quanto à compreensão textual, o resultado da primeira avaliação foi semelhante, 65,0% para o GNL e 70,0% para GL (p>0,05). Conclusão: Conforme a primeira avaliação textual e numérica houve uma boa compreensão dos grupos. Com a utilização dos jogos educativos, o GL apresentou proporcionalmente melhor compreensão textual em relação ao GNL. Assim, observou-se que os dois grupos de idosos compreenderam de forma semelhante às informações textuais e numéricas, contribuindo, possivelmente, para os cuidados em saúde.


Palavras-chave


Alfabetização em saúde, Idoso, Saúde do Idoso.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Área Técnica Saúde do Idoso. Brasília; 2010.

Brasil. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei no 10.741 de 1o de Outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União [Internet], Brasília, DF, 3 out. 2003 [citado em 2016 Maio 12]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.741.htm

Paskulin LMG, Aires M, Valer DB, Morais EP, Freitas IVA. Adaptação de um instrumento que avalia alfabetização em saúde das pessoas idosas. Acta Paul Enferm. 2011;24(2):271-277. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002011000200018.

Paskulin LMG, Bierhals CCB, Valer DB, et al. Alfabetização em saúde de pessoas idosas na atenção básica. Acta Paul Enferm. 2012;25:129-35. http://dx.doi.org/10.1590 S0103-21002012000800020.

Santos LTM, Mansur HN, Paiva TFPS, Colugnati FAB, Bastos MG. Letramento em Saúde: importância da avaliação em nefrologia. J Bras Nefrol. 2012;34(3):293-302. PMid:23099838. http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20120014.

Santos MIPO, Porte ̈lla MR, Scortegagna HM, Santos PCS. Letramento funcional em saúde na perspectiva da Enfermagem Gerontológica: revisão integrativa da literatura. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(3):651-64. http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14080.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Diretoria de Pesquisas. Síntese de indicadores sociais: uma analise das condições de vida da população brasileira [Internet]. Brasília; 2012 [citado em 2016 Maio 12]. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv66777.pdf

Camargos MCS, Gonzaga MR. Viver mais e melhor? Estimativas de expectativa de vida saudável para a população brasileira. Cad Saude Publica. 2015;31(7):1460-72. PMid:26248101. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00128914.

Pilger C, Menon MU, Mathias TAF. Utilização de serviços de saúde por idosos vivendo na comunidade. Rev Esc Enferm.2013;47(1):213-20. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342013000100027.

Dias FA, Tavares DMS. Fatores associados à participação de idosos em atividades educativas grupais. Rev Gaucha Enferm. 2013;34(2):70-7. PMid:24015464. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472013000200009.

Torquato R, Massi G, Santana AP. Envelhecimento e letramento: a leitura e a escrita na perspectiva de pessoas com mais de 60 anos de idade. Psicol Reflex Crit. 2011;24(1):89-98. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722011000100011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística –IBGE. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2015. Rio de Janeiro: IBGE; 2015. 137 p. Estudos e Pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica, 35.

Nunes DP, Nakatani AYK, Silveira EA, Bachion MM, Souza MR. Capacidade funcional, condições socioeconômicas e de saúde de idosos atendidos por equipes de Saúde da Família de Goiânia (GO, Brasil). Cien Saude Colet. 2010;15(6):2887-98. PMid:20922297. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000600026.

Ferreira PCS, Tavares DMS, Rodrigues RAP. Características sociodemográficas, capacidade funcional e morbidades entre idosos com e sem declínio cognitivo. Acta Paul Enferm. 2011;24(1):29-35.

Moraes WM, Souza PRM, Pinheiro MHNP, Irigoyen MC, Medeiros A, Koike MK. Programa de exercícios físicos baseado em frequência semanal mínima: efeitos na pressão arterial e aptidão física em idosos hipertensos. Rev Bras Fisioter. 2011;16(2):1-8.

Virtuoso JF, Mazo GZ, Menezes EC, Cardoso AS, Dias RG, Balbé GP. Perfil de morbidade referida e padrão de acesso a serviços de saúde por idosos praticantes de atividade física. Cien Saude Colet. 2012;17(1):23-31. PMid:22218536. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000100005.

Silva CSO, Pereira MI, Yoshitome AY, Rodrigues JF No, Barbosa DA. Avaliação do uso de medicamentos pela população idosa em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Esc Anna Nery. 2010;14(4):811-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452010000400022.

Pizzol TSD, Pons ES, Hugo FN, Bozzetti MC, Sousa MLR, Hilgert JB. Uso de medicamentos entre idosos residentes em áreas urbanas e rurais de municípios no Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cad Saude Publica. 2012;28(1):104-14. PMid:22267070. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000100011.

Paiva SCL, Gomes CP, Almeida LG, et al. A influencia das comorbidades, do uso de medicamentos e da institucionalização na capacidade funcional dos idosos. Rev Int Est Exp 2014;6:46-53.

Secoli SR. Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Rev Bras Enferm. 2010;63(1):136-40. PMid:20339769. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000100023.

Oliveira CS, Costa SRR, Santos ICL, Lemos CES. Oficina de educação, memória, esquecimento e jogos lúdicos para a Terceira Idade. Rev Ciênc Ext. 2012;8(1):8-17.

Koch IV, Elias VM. Ler e compreender: Os sentidos do texto. 3. ed. São Paulo: Contexto; 2013.

Soares M. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte: Autentica; 2012.

Passamai MPB, Sampaio EAC, Dias AMI, Cabral LA. Letramento funcional em saúde: reflexões e conceitos sobre seu impacto na interação entre usuários, profissionais e sistema de saúde. Interf Comunic Saude Educ. 2011;16(41):301-14. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832012005000027.

Andradea NB, Canon MBF, Zugman CL, Ayres TG, Ide MG, Novelli MMPC. Centro de convivência de idosos: uma abordagem de estimulação cognitiva e psicossocial. Cad Ter Ocup. 2014;22(1):121-8.

Santos IB, Gomes L, Matos NM, et al. Oficinas de estimulação cognitiva adaptadas para idosos analfabetos com transtorno cognitivo leve. Rev Bras Enferm. 2012;65(6):962-8. PMid:23559175. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000600012.

Araújo PO, Silveira EC, Bôas AMV, Silva JD. Promoção da saúde do idoso: a importância do treino da memória. Rev Kair Geront. 2012;15(8):169-83.

Sato AT, Batista MP, Almeida MHM. Programas de estimulação da memória e funções cognitivas relacionadas: opiniões e comportamentos dos idosos participantes. Rev Ter Ocup Univ Sao Paulo. 2014;25(1):51-9. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v25i1p51-59.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


IJHE é uma Publicação do Programa de Pós-Graduação Ensino em Saúde na Amazônia, Belém, Pará, Brasil